Consulte a Melhor Programação para o seu filho

Consulte a melhor programação para o seu filho

Ver todas as atrações


É possível educar os filhos sem castigo e sem o 'cantinho do pensamento'?

02 de Novembro de 2017 | Mães Que Educam

castigo_stock.jpg (85 KB)

Por Cristina Cançado

“Se eu educar o meu filho sem castigo e sem cantinho do pensamento ele vai crescer sem limites?”

Estas dúvidas assombram muitos pais. Será que acontece com você também?

Há pais que costumam aplicar um castigo quando o filho faz algo que consideram errado ou fora das regras e combinados da família. Os castigos vão desde tirar algo que ele gosta muito ou colocá-lo no cantinho do pensamento.

Fazem isso por acreditarem que o castigo vai ensinar o filho a escolher o que é certo e deixar o que é errado de lado.

A criança, com medo, aceita o que é imposto e é comum ouvi-la dizer:

“Já posso sair?”

“Já pensei.”

“Prometo que nunca mais vou fazer isso.”

“Me desculpa.”

Quando a criança se vê livre do castigo, faz tudo novamente. É assim que começam os rótulos: “Sem limites”, “desobediente”, “difícil”, “malcriada”...

E o que ela aprendeu depois da pena cumprida? NADA! Não aprendeu nada!

Porque não é bem assim que funciona. A criança precisa de ajuda para aprender que para cada escolha que ela faz sempre vai ter uma consequência, boa ou ruim.

E na prática, como é que isso funciona?

Um exemplo: a criança está brincando de correr na sala. A mãe pede inúmeras vezes para que ela pare, mas não é atendida. De repente, em uma dessas corridas, a criança tropeça na mesa e aquele lindo e estimado prato, presente de casamento dos pais, voa pela sala e quebra em muitos pedaços.

Gritar, colocar no quarto para pensar, esconder o brinquedo preferido ou privar do passeio planejado e esperado... Nada disso vai adiantar. E mais: a gritaria só vai deixar a criança mais agitada e, pequena, ainda não consegue se colocar no lugar do outro e nem pensar sobre suas ações.

Então, o que fazer?

Primeiro, “olhe nos olhos” do filho para uma boa conversa:

“Isso teria acontecido se você tivesse me atendido?”

“Agora a sala vai ficar sem enfeite.”

Segundo, proponha ou busque soluções juntos:

“Será que dá pra colar?”

“Vamos limpar a sala juntos.”

“Você vai brincar em outro lugar.”

Veja quantas consequências o ato de não atender ao pedido a mãe trouxe para a criança. É assim que ela vai percebendo e aprendendo.

Cada situação tem um desfecho. O adulto, o mais experiente, precisa pensar, avaliar e tomar uma atitude que tenha um sentido para criança. Ela vai aprender a agir, não por medo de castigo, mas porque está aprendendo o que é certo e o que é errado.

Importante: É preciso rever combinados, limites e a sua própria postura.

 

 Facebook-01.png (83 KB) Instagram-01.png (104 KB)