Consulte a Melhor Programação para o seu filho

Consulte a melhor programação para o seu filho

Ver todas as atrações


Dicas para comprar um brinquedo seguro - e os mais indicados por faixa etária

10 de Outubro de 2018 | Notícias - Para os pais
proteste-play-stone-3179293_1280.jpg (128 KB)
Foto: Pixabay

 

Da redação

Na hora de comprar um presente para os nosso filhos (ou para outras crianças), é importante atentar para uma série de detalhes, que garantem a segurança dos pequenos nas brincadeiras. 

A associação de consumidores Proteste orienta a pesquisar bem antes de levar o brinquedo para casa e comparar os preços em diversas lojas. Também é válido examinar o produto e verificar o mecanismo de funcionamento (bateria, pilha), considerando o custo que representa. Em alguns estados, existem leis que determinam que as lojas mantenham amostras de jogos e brinquedos abertos para que possam ser testados pelo consumidor. Pergunte na loja sobre essa posssibilidade.

 Veja, abaixo, outras dicas importantes do que observar na hora da compra de brinquedos, bem como quais são os tipos de brinquedos mais indicados segundo a faixa etária da criança.

O QUE LEVAR EM CONSIDERAÇÃO NA HORA DA COMPRA?

Certificação de segurança: os brinquedos, nacionais ou importados, devem possuir um selo de certificação quanto à segurança. Essa certificação do Inmetro deve estar impressa na própria embalagem ou em etiqueta fixada ao produto. Brinquedos vendidos sem ela podem colocar a saúde e a segurança da criança em risco.

Dados do fabricante: É também importante que o brinquedo traga o nome do fabricante ou importador, impressos na embalagem, bem como outros dados, como telefone e endereço completo e ainda o serviço de atendimento ao consumidor com telefone. Caso ocorra algum problema ou acidente, eles serão formas de contato úteis para o cliente.

Escolha de acordo com a faixa etária: Alguns brinquedos não são destinados a crianças de 0 a 3 anos de idade por possuir pontas cortantes, materiais tóxicos ou pequenos objetos que podem ser ingeridos. Portanto, deve-se ter atenção ao selo de advertência de faixa etária.

Retirar a embalagem: Ao entregar o presente à criança, é recomendável tirar o item da embalagem, sobretudo se for um saco de plástico, pois ele pode causar asfixia.  É possível que brinquedos com ruídos excessivos causem danos à audição dos pequenos. Já os com cheiro e forma que imitam alimentos podem levar a criança a engoli-los. Produtos com cordões longos representam risco, assim como bichinhos de pelúcia cujos olhos não estejam firmemente pregados.  Produtos de montar devem ter a operação acompanhada de perto pelos pais.

Fique de olho: Após a compra, é imprescindível fazer uma revisão periódica dos brinquedos da casa. Jogar fora os que mostrem defeito, limpar os produtos após algum tempo e evitar que itens estragados estejam ao alcance das crianças. Afinal, um presente é sinônimo de alegria e não de incidentes domésticos.

A ESCOLHA MAIS ADEQUADA

Conforme vai crescendo, a criança precisa de brinquedos adequados à sua faixa etária, que estimulem sua coordenação motora, inteligência, afetividade e socialização.
 
Até os 9 meses
É a fase em que descobrem as cores, os sons e as formas. Os brinquedos devem ser leves, resistentes, antialérgicos, sem quinas ou pontas, e não soltar tinta.
 
Dos 9 aos 12 meses
As crianças que engatinham gostam de pegar tudo que vêem. Ofereça brinquedos de diferentes materiais, mas seguros, como os de tecido, borracha, plástico, madeira etc.
 
1 ano
Época de desenvolver habilidades manuais e corporais com brinquedos de encaixe, abre-fecha, que estimulem a coordenação motora das mãos: pegar, apertar, arremessar.
 
2 anos
Aproveite as habilidades já desenvolvidas e a curiosidade própria dessa fase para oferecer jogos com peças de montar. 
 
De 3 a 5 anos
Época do “faz-de-conta”. Os brinquedos ideais são bonecos, fantoches, livros de história, tudo que permita a dramatização do que vivem no dia-a-dia.
 
De 5 a 7 anos
Fase das brincadeiras em grupo, com brinquedos para jogos ao ar livre e que estimulem a competição, como bolas, cordas e pula-pula.
 
De 7 a 9 anos
Os ideais são os jogos de raciocínio e memória, como quebra-cabeças e os jogos de tabuleiro de regras simples.
 
De 9 a 12 anos
É a fase de atividades com regras mais complexas. Mas as crianças já escolhem o que querem, como instrumentos musicais e videogames.
 
Para ter acesso ao guia completo de dicas que podem orientar ainda mais, basta acessar
https://www.proteste.org.br/institucional/informe-se/cartilhas-da-proteste/brinquedo-e-coisa-seria