Consulte a Melhor Programação para o seu filho

Consulte a melhor programação para o seu filho

Ver todas as atrações


História de Mãe: Milagres na vida de uma mãe com deficiência

01 de Março de 2017 | História de mãe

Por Fabíola Fernanda do Patrocínio Alves

Fabíola e sua filha Esther | Foto: arquivo pessoalQuando eu tinha quase 4 anos, sofri uma doença e adquiri deficiência nos membros inferio­res, deixando de andar. Considero que a materni­dade é um milagre maravilhoso que Deus me con­cedeu, pois foram muitos os desafios superados até poder ter minha filha em meus braços. 

O primeiro surgiu aos três meses de gestação, quando tive que substituir o aparelho ortopédico e as bengalas que eu usava para andar pela cadeira de rodas, por causa da cinta pélvica. Na infância, eu tinha muita dificuldade em aceitar a cadeira de rodas, porque sentia vergonha. Então, a gravidez provocou minha "amizade" com a cadeira, que hoje é minha principal forma de locomoção.

Quando eu estava entrando no sexto mês de gravidez, meu mundo desabou em uma consulta de pré-natal. A ultrassonografia apontou que mi­nha placenta estava amadurecendo precocemente e que havia um grande risco de parto prematuro. Minha mãe perguntou ao meu médico sobre a possibilidade de a gravidez ir ao nono mês e ele respondeu que estava convicto de que não iria.

Tive que deixar meus três empregos e ficar de repouso, realizando exames quinzenais para acom­panharmos a placenta. A cada exame, novas con­quistas. Certo dia, meu médico reconheceu: "Isto é um mistério! Não consigo explicar como a bebê continua se desenvolvendo com uma placenta nes­sas condições"! E, desse modo assombrosamente maravilhoso, Esther foi formada. Contrariando as perspectivas médicas, entrei no nono mês de ges­tação e, no dia 5/12/2011, ela nasceu. 

Hoje minha filha tem 5 anos e é uma bênção em minha vida! Deus me dá estratégias para cui­dar dela e minhas limitações físicas não impedem o exercício da maternidade. Construo essas estra­tégias a cada dia. Por exemplo, se tenho que levá-la ao médico e o lugar é de fácil acesso, com esta­cionamento, levo sozinha. Para deixá-la na escola, conto com a ajuda de uma monitora, que busca minha filha no carro. Passeamos juntas, amamos ir ao Mercado Central, ao shopping... e a regra é sim­ples: saio sozinha com ela dependendo das con­dições de acessibilidade. Caso contrário, saímos apenas com meu marido. Há muito tempo minha filha já entende minhas limitações e também me auxilia muito. Ela já me ajuda a retirar a cadeira de rodas do carro, e em casa me “socorre” quando preciso apanhar um objeto que não alcanço.

Sinto-me feliz em compartilhar minha história, porque acredito que pode servir de incentivo para muitas mulheres com dificuldades relacionadas à maternidade. Não quero ser tomada como exem­plo, mas apenas deixar esta reflexão: podemos ir muito mais longe do que acreditamos.

 

 

Fabíola Fernanda do Patrocínio Alves é psicóloga, mestre em psicologia, doutoranda em educação e mãe de Esther.