Consulte a Melhor Programação para o seu filho

Consulte a melhor programação para o seu filho

Ver todas as atrações


Padecendo no Paraíso: Como incentivar a leitura na era digital

05 de Junho de 2018 | Colunas

Por Bebel Soares

livroleituralerlazeraprender_depositphotos.jpg (241 KB)

Um dia almoço com dragões, noutro dia almoço com Harry Potter e a Pedra Filosofal e janto com Percy Jackson. Aqui é assim. Difícil fazer meu filho largar os livros. Muita gente me pergunta como eu consegui fazê-lo gostar de ler nesta era digital.

Não foi de um dia para o outro que aqui surgiu um pequeno leitor. Desde novinho ele ouvia histórias antes de dormir. Quando era bebê, era uma, duas histórias enquanto mamava. Foi crescendo, e começamos a ler livros. Passamos para três livros por noite. Depois três capítulos de livros mais grossos. Então ele aprendeu a ler e começou a devorar gibis, que têm letra em caixa-alta e linguagem simples. À noite ainda líamos para ele. Um dia, o tio Leo mandou o primeiro livro da coleção Como Treinar Seu Dragão. Líamos à noite. Mas ele não conseguia esperar a noite seguinte e começou a ler sozinho durante o dia. Já lia livrinhos mais finos nessa época. Mas os de capítulos estavam por nossa conta. E foi assim que ele passou a devorar histórias sozinho. Já foram muitas coleções: Como Treinar Seu Dragão, Percy Jackson, e agora está começando Harry Potter.

E os eletrônicos? Há um ano demos um celular para ele. Estava com 8 anos, morando longe da família, e achamos que seria legal ter um WhatsApp para conversar com os parentes. Mas junto acabaram entrando os joguinhos, o vício e as alterações de humor. “Larga esse celular, menino!” Não conseguimos achar um ponto de equilíbrio, acabei guardando o aparelhinho. A gente sempre pode voltar atrás nas decisões. Ele tem computador, mas só usa para a aula de programação. YouTube? Nem pensar! TV, só para filmes, sem comerciais, e nos fins de semana. Preferimos continuar incentivando a leitura. Nada mais estimulante que um bom livro.

Pode parecer totalmente fora da realidade, mas, olha, eu trabalho com mídias sociais, não largo o celular. Ele faz aula de robótica há quase três anos, começou a programação e, em breve, estará fazendo seus próprios programas. As outras coisas serão introduzidas aos poucos, na hora certa e com supervisão. Ele tem a vida toda para isso. Se você gosta de incentivar a leitura e quer ver sugestões de livros, confira no Instagram a hashtag #livrosdopipe.

 

Bolinha-bebelsoares.png (669 KB)Bebel Soares é fundadora da plataforma de apoio a mães Padecendo no Paraíso. Na Canguru ela fala sobre educação, saúde, alimentação, sexo, inclusão e viagens.
 

 

 

Facebook-01.png (83 KB) Instagram-01.png (104 KB)