Consulte a Melhor Programação para o seu filho

Consulte a melhor programação para o seu filho

Ver todas as atrações


Daniel Becker: A importância de as crianças brincarem em espaços abertos

02 de Outubro de 2017 | Artigos

 Por Daniel Becker

children-2478895_960_720.jpg (265 KB)
Foto: Pixabay

 

Nossos filhos e filhas são nossos maiores tesouros. Queremos protegê-los de todo mal; somos capazes de sacrificar a própria vida pela sua felicidade. Mas há um paradoxo: essas mesmas crianças são maltratadas por nossa sociedade, de modo geral.

Convivem pouco com os pais e ficam, muitas vezes, o dia todo em creches – e assim perdemos a intimidade com nossas crianças. São confinadas entre quatro paredes, e sua energia natural para correr e brincar é reprimida. Passam horas em frente a telas de tablets, telefones e TVs, viciadas em distração compulsiva, sendo educadas por uma publicidade nociva, que instila consumismo, alienação e materialismo. Alimentam-se de produtos industrializados ou de vegetais inundados de agrotóxicos. Não conseguimos mais dar limites; ganham presentes demais e presença de menos. São superprotegidas e não aprendem a lidar com frustrações e dificuldades. Compromissos demais e tempo para o brincar livre e criativo de menos.

O livre brincar promove inteligência, humor, imaginação e criatividade.

Depois de tudo isso, comportam-se mal, ficam obesas, desatentas, agitadas ou rebeldes, e a sociedade impõe a pior violência: a medicalização.

Rotulamos crianças, em sua maioria normais e saudáveis, como portadoras de transtornos e normatizamos seu comportamento com drogas psicoativas com efeitos colaterais graves.

Uma situação complexa como essa não se resolve de uma vez; precisamos puxar o fio do novelo, começar a criar ciclos virtuosos. Uma maneira simples, factível e eficaz de reverter esses males é trazer crianças e famílias a espaços abertos, ruas e parques.

OS BENEFÍCIOS SÃO INÚMEROS:

» Reduz o uso de eletrônicos, gera mais consciência;
» Reduz o consumismo e o materialismo excessivo;
» Promove o convívio afetivo entre pais, avós e filhos e entre crianças de diversas idades, capacidades e extratos sociais – desenvolve a empatia; educa emocionalmente; ajuda a lidar com regras e ensina a colaborar;
» O contato com o sol, o ar puro e o verde promove o bem-estar físico, emocional e mental;

» Reduz a obesidade, a hiperatividade, a agressividade, as alergias e os distúrbios do sono; melhora a imunidade, a atenção e a escolaridade.

O livre brincar promove inteligência, humor, imaginação e criatividade. Na natureza, a sensação de aventura gera memórias afetivas. Torna a
criança mais segura; ensina a lidar com o risco e o medo e a resolver problemas.

A volta ao espaço aberto e ao contato com a natureza abre outra perspectiva: a conquista da cidade, do espaço público pelas famílias. Precisamos vencer os muros, estimular o convívio com outras realidades sociais. Precisamos da construção da empatia, da cidade democrática abraçada pelos cidadãos.
A cidade é nossa – vamos ocupá-la com crianças, famílias e muitas brincadeiras ao ar livre.

 

Daniel Becker é pediatra formado, com residência pela UFRJ e mestrado em saúde pública pela FIOCRUZ. Foi pediatra do Médicos sem Fronteiras, na Tailândia, e um dos criadores do Programa Saúde da Família. Fundou e presidiu por 20 anos o Centro de Promoção da Saúde (CEDAPS), ONG que é referência em saúde de comunidades populares. É colaborador do UNICEF e da OMS e palestrante e consultor de fundações e empresas. É pioneiro da pediatria integral: uma prática que amplia o olhar e o cuidado para promover o desenvolvimento pleno e o bem-estar da criança e da sua família.