Consulte a Melhor Programação para o seu filho

Consulte a melhor programação para o seu filho

Ver todas as atrações


Disfunção de Integração Sensorial (DIS): você sabe o que é isso?

01 de Setembro de 2017 | Artigos

Por Marcella Nunes Fernandes Rosa

pentear-cabelo-crianca.jpg (36 KB)

"Minha filha detesta que eu penteie o cabelo dela, não deixa que prenda ou coloque qualquer enfeite, como laços e presilhas. Não consigo entender, parece que ela tem uma ‘gastura’ quando mexem no seu cabelo”.

Você sabia que existe uma explicação clínica para comportamentos como esse, pouco conhecida pelos pais e até por muitos profissionais da saúde? Chama-se Disfunção de Integração Sensorial (DIS). Mas, para compreender o que é DIS, é necessário entender primeiro o que é Integração Sensorial (IS).

IS é a habilidade de, através dos sentidos, receber as informações do ambiente, integrá-las com conhecimentos prévios e então emitir uma resposta adequada. Esse processo é dinâmico, acontece o tempo todo e de maneira harmônica, como quando seguramos um copo de vidro ou um copo descartável com a força ideal para que ele não caia ou deforme.

Já na DIS, a informação do meio externo é recebida, mas não é interpretada pelo cérebro adequadamente, levando a uma resposta inapropriada. Por exemplo, quando colocamos muita força e amassamos o copo descartável por não termos percebido que, para segurá-lo, a força deve ser menor do que aquela utilizada para o copo de vidro.

Crianças com DIS geralmente enfrentam dificuldades em suas ocupações (brincadeira, escola, participação social e autocuidado) e, por apresentarem respostas inadequadas às demandas ambientais, podem se passar por tímidas, sistemáticas, “frescas”, enjoadas, hiperativas, preguiçosas ou bagunceiras. É importante ter atenção a esses sinais!

Estas são algumas características comuns em crianças com DIS:

» Negam-se a tocar texturas diferentes (grama, areia, tinta, cola etc.);

» Apresentam dificuldade em se manterem sentadas;

» Parecem desajeitadas e com pouca habilidade para jogos de montar/encaixar;

» Evitam atividades motoras novas; » Não gostam das aulas de educação física;

» Comem lápis, borracha e mastigam os cabelos;

» São lentas;

» Quando estão sentadas, apoiam a cabeça como se estivessem cansadas;

» Apresentam dificuldade em utilizar a tesoura;

» Escrevem com muita força ou fraco demais.

O terapeuta ocupacional que trabalha com a abordagem de IS é o profissional mais indicado para tratar a DIS. Os atendimentos são realizados em um ambiente rico em estímulos sensoriais, onde se respeita a tolerância da criança e ela tem a oportunidade de experimentar e explorar seu corpo e as sensações de maneira lúdica e dirigida pelos seus interesses.

Vale lembrar que a terapia só é indicada quando a DIS tem impacto no desempenho funcional da criança. Ou seja, quando ela apresenta dificuldade para desempenhar suas atividades no dia a dia.

 

Marcella Nunes Fernandes Rosa, 31, é terapeuta ocupacional graduada na UFMG. Atende crianças em seu consultório em Belo Horizonte, faz consultoria em escolas e ministra palestras e cursos de capacitação para pais e professores.