Consulte a Melhor Programação para o seu filho

Consulte a melhor programação para o seu filho

Ver todas as atrações


Campanha quer evitar antecipação de partos na época do Natal e Ano Novo

04 de Dezembro de 2018 | Saúde - Notícias
pregnant-2640994_1280.jpg (42 KB)
Foto: Pixabay

 

Por Agência Brasil

Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) em parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein e o Institute for Healthcare Improvement (IHI) lançaram, na última semana, a campanha “A hora do bebê: Pelo direito de nascer no tempo certo”, que tem como objetivo incentivar o parto normal e conscientizar as futuras mães e toda a rede de atenção obstétrica sobre os riscos da realização de cesáreas sem indicação clínica.

A campanha foi lançada perto do início do mês de dezembro porque, segundo dados da ANS sobre partos realizados por beneficiárias de plano de saúde, há redução de cesarianas no final de dezembro e aumento no período anterior ao Natal. Os números mostram que há antecipação dos nascimentos que ocorreriam na época das festas de fim de ano.

Agendamento de partos

De acordo com a ANS, em 2017, a média de cesarianas na semana de 24 a 31 de dezembro foi 20% menor do que a média semanal do ano, enquanto a média entre 16 e 23 de dezembro foi 9% maior do que a média anual. Isso indica agendamento dos partos que ocorreriam na semana entre Natal e Ano Novo. Em 2016, houve diminuição de aproximadamente 40% no número de cesáreas realizadas no período de 24 a 31 de dezembro, comparado com a média semanal de cesarianas. 

Segundo a ANS, há evidências científicas de que bebês nascidos de cesarianas são internados em UTI neonatal com mais frequência e, quando não há indicação clínica, a cesariana pode aumentar o risco de morte da mãe e as chances de complicações respiratórias para o recém-nascido. Isto porque, se o parto for realizado antes das 39 semanas de gestação, o nascimento pode ocorrer sem a completa maturação pulmonar do bebê, além de o trabalho de parto também completar o ciclo de amadurecimento do bebê. 

Parto natural

Além disso, a passagem pelo canal vaginal, na hora do nascimento, coloca o bebê em contato com bactérias naturalmente presentes nessa área do corpo da mulher, fortalecendo seu sistema imunológico. O trabalho de parto completa o ciclo de amadurecimento do bebê: a intensificação gradual das contrações musculares do corpo da mãe favorece a prontidão para o nascimento e o contato com o mundo, uma vez que ritmo cardíaco, fluxo sanguíneo e maturação pulmonar são gradativamente trabalhados no corpo do bebê. Além disso, hormônios naturalmente atuantes durante o trabalho de parto favorecem o vínculo entre mãe e bebê, o aleitamento materno e a recuperação pós-parto.

“Não há evidências que justifiquem o agendamento de uma cesariana, salvo algum risco claro para a saúde da mãe e do bebê. É importante que a gestante tenha o apoio de médicos, enfermeiros e demais profissionais que acompanham o pré-natal, para entender as opções de parto e fazer a escolha de forma consciente”, disse a especialista em regulação de saúde suplementar e coordenadora do Projeto Parto Adequado, Jacqueline Torres.

Cultura de agendamento

Segundo Jaqueline, o Brasil tem uma cultura muito grande de agendamento de cesarianas por motivos não clínicos, permitindo que isso aumente na época de festas de final de ano, justamente por conta da mudança na rotina e por muitos profissionais saírem de férias.  Ela reforçou que esse processo e seu agendamento são bastante comuns no Brasil porque o sistema de saúde do país está organizado para produzir cesáreas, e a forma como esse modelo foi desenhado estimula que os profissionais médicos tenham que agendar as operações para conseguir fazer todos os partos.

"Nosso modelo de assistência foi organizado de tal maneira que é muito difícil que a mulher consiga ter um parto normal, porque ela se vincula a um único médico, que é responsável pelo pré-natal e pelo parto, sem que ele tenha um apoio de uma rede de serviços, como outros médicos, enfermeiras obstétricas. E isso impede o acompanhamento de um evento que é tão incerto e não tem hora para acontecer". 

Mudança de modelo

Para Jaqueline, o que pode mudar esse quadro são ações em várias frentes, começando por reorganizar o modelo de cuidado, com multiprofissionais voltados para as práticas humanizadas, passando pelo comprometimento dos hospitais com a mudança desse modelo e priorizando a qualidade do atendimento à paciente. "Precisamos também dar mais informações para as mulheres e permitir que elas opinem mais junto aos serviços de saúde para melhorar a qualidade e a experiência de parto dessas mulheres".

Segundo ela, uma das maneiras de convencer as futuras mães de que o melhor é não agendar as cesáreas para antes ou depois do período de festas de final do ano, apenas para ter o feriado livre, é esclarecer que, apesar de muitos resultados bons e felizes, acontecem situações que a maioria das pessoas não conhecem.

"Acredito que nenhuma mãe vai querer arriscar ter um filho na UTI neonatal, ou algum problema até mais grave para o bebê, por conta de um feriado. Quando a mulher está bem informada, ela faz escolhas melhores. Mas não adianta estar bem informada, se não encontra um sistema que acolha essa vontade de ter um parto normal”. 

De acordo com dados da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo, dos 169.350 bebês nascidos vivos na rede municipal em 2017, cerca de 17,7 mil eram prematuros, ou seja, nasceram com menos 37 semanas de gestação.