Consulte a Melhor Programação para o seu filho

Consulte a melhor programação para o seu filho

Ver todas as atrações


Conheça os tesouros para toda a família escondidos dentro do Parque Municipal

01 de Junho de 2017 | Diversão - Notícias
No centro da cidade, o Parque Municipal Américo Renné Giannetti tem enorme diversidade de fauna e flora e possui parque de diversões com brinquedos a R$ 2,50

Por Rafaela Matias

vistaparquemunicipal_gustavoandrade.jpg (306 KB)
Vista aérea do Parque Municipal, patrimônio de Beagá | Foto: Gustavo Andrade

 

NÃO HÁ QUEM não conheça. Bem no centro da cidade, com a entrada principal na avenida Afonso Pena, ao lado do Palácio das Artes, o Parque Municipal Américo Renné Giannetti é imponente e faz parte da história de quase todos os cidadãos belo-horizontinos. Não só pela sua longevidade – ele foi inaugurado em 26 de setembro de 1897, antes mesmo da fundação de Beagá –, mas também por ter sido, por muito tempo, uma das únicas opções de lazer da cidade, especialmente para as crianças. Muito antes de o Parque Guanabara se instalar em Beagá (em 1964) e dos estacionamentos dos shoppings abrigarem periodicamente circos internacionais e grandes parques itinerantes, o circuito de brinquedos do Parque Municipal fazia a alegria dos pequenos. Hoje, mais de um século após a sua criação, o seu potencial de divertir a meninada não é menos relevante e o parque ainda guarda tesouros que muitas famílias desconhecem.

Um oásis na cidade

Com uma área de 182 mil metros quadrados, a área verde do parque abriga 280 tipos de árvores de diversas partes do Brasil e do mundo, além de 330 espécies de plantas ornamentais, que complementam o paisagismo dos jardins. Árvores de grande porte, exóticas e nativas, como figueiras, jaqueiras e eucaliptos, ajudam a compor a flora e são responsáveis pela manutenção da fauna. Afinal de contas, a extensa vegetação serve como refúgio para vários animais silvestres que habitam a cidade. Vivem no Parque Municipal uma enorme variedade de aves, com cerca de 100 espécies, morcegos frutíferos, gambás-de-orelha-branca e mico-estrela, além de insetos como abelhas, bichos-pau, besouros e mais de 60 espécies de borboletas. Além disso, vivem nas três lagoas e diversas nascentes espécies de peixes como dourados, cascudos, tilápias e carpas.

Para a criançada, vamos ao que interessa!

O Parque Municipal conta com uma generosa área destinada à diversão. São 21 brinquedos, incluindo carrossel, pista automotiva, roda gigante, bate-bate, lagarta, samba e twister. Todos os ingressos são vendidos por R$ 2,50. Os quiosques recebem somente pagamento em dinheiro, por isso, vá preparado. Há também um parquinho tradicional gratuito, com escorregador, gangorra e torres. Os brinquedos são bem conservados e não deixam a desejar, exceto pelo chão de brita que poderia ser trocado por um emborrachado, mais seguro para os visitantes mirins.

Outras opções para os pequenos são passeio nos burrinhos, quadra poliesportiva, pista de skate e patinação e quadra de tênis. Para os papais que querem se exercitar junto com os filhotes, há equipamentos de ginástica, barcos a remo e pista de caminhada.

{{{{NTg=}}}}

Visitas guiadas

Outra ótima opção de passeio para toda a família são as visitas guiadas ao orquidário e ao viveiro de plantas medicinais. O orquidário, construído e mantido pela Associação Orquidófila de Belo Horizonte, é aberto todas as quintas-feiras, às 20h, quando acontece a reunião semanal da associação. A população pode participar, agendando previamente pelo telefone 9.9393-7984. Já o viveiro de 750 metros quadrados, onde são cultivadas cerca de 180 espécies de plantas medicinais, é aberto nas últimas quintas-feiras de cada mês, das 9h às 13h, quando os interessados em aprender sobre utilização de plantas medicinais podem visitar a exposição. A atividade apresenta as espécies que são cultivadas no viveiro, distribui mudas e dá dicas sobre a maneira de conservação, utilização e preparo de receitas.

Duas outras visitas estão temporariamente suspensas, mas, segundo a Fundação de Parques Municipais, serão retomadas em breve. São elas a trilha histórico-ambiental, que consiste em caminhadas pelas alamedas com paradas em locais importantes do ponto de vista histórico e ambiental, e a visita ao Jardim das Borboletas, um espaço criado para o cultivo de plantas que atraem e fornecem alimento a todas as fases da vida de borboletas e mariposas. Ambas são acompanhadas por guias estagiários capacitados para tal atividade e devem ser agendadas pelo telefone 3277-4161 ou pelo e-mail dpac@pbh.gov.br, com, no mínimo, uma semana de antecedência.

NÃO SE PERCA!

Decidiu visitar o parque? Veja abaixo um mapa com as principais atrações e se localize em meio ao verde:

mapaparque2.jpg (259 KB)
Na revista Canguru de junho é possível ver o mapa em tamanho real e andar com ele pelo parque ;)

 

Pode melhorar

Durante as visitas ao parque, a reportagem notou alguns pontos que podem (e devem) ser reparados pela prefeitura. Veja quais são eles e quais foram as soluções propostas pela gestão municipal, por meio da Fundação de Parques Municipais.

Não há boa estrutura de fraldário.

Nos sanitários localizados na área dos brinquedos há um sanitário infantil com fraldário. Esse sanitário será reformado no segundo semestre de 2017 e será adaptado para sanitário família.

O carro da Guarda Municipal transitava em velocidade exagerada dentro do parque.

O limite de velocidade no parque é de 20 km/h. Às vezes, a Guarda excede o limite para atender chamados dentro do próprio parque e evitar, por exemplo, evasão de infratores.

O chão dos brinquedos é de brita (e não de borracha, como na Praça da Assembleia, por exemplo).

A área onde estão os brinquedos é permeável e, conforme previsão original, não pode ser concretada. Há estudos em andamento para adaptação do piso para emborrachamento, sem comprometer a permeabilidade da área.

Os jardins estavam com o mato muito alto.

Já está programada atividade de manejo de jardins e roçada geral no parque.

A maior parte dos brinquedos não são adaptados para cadeirantes.

Existe um balanço especial para cadeirantes e deficientes físicos dentro do parque. A FPM está estudando a implantação de novos brinquedos adaptados no local.

A condutora do trenzinho foi vista, por diversas vezes, falando ao celular ou mandando mensagens pelo mesmo (com o veículo em movimento).

Todos os prestadores de serviços devem seguir as normas de segurança estabelecidas*. A FPM vai encaminhar esta reclamação à empresa responsável pelo brinquedo para que sejam tomadas as providências.

Antigo prédio do Imaco está sendo reformado para virar espaço multiuso (com áreas para evento, teatro, auditório e café), mas obra está parada.

Já foram feitos contatos com a SUDECAP para viabilizar a continuidade das obras. Processo está em análise junto aos órgãos do Governo de Minas para repasse dos recursos.

 

*Caso algum usuário do parque verifique conduta inadequada dos prestadores de serviço, pode comunicar imediatamente à administração ou fazer a reclamação pelo telefone 3277-4161.

 

 

infoparque.jpg (38 KB)
Anote aí!

Você sabia?

  • O parque foi projetado em estilo romântico inglês, pelo arquiteto paisagista francês Paul Villon.
  • Foi criado para ser o maior e mais bonito parque urbano da América Latina.
  • Serviu como moradia para Aarão Reis, engenheiro chefe da comissão encarregada de planejar e construir a nova capital de Minas.
  • Em 1924, o governador Olegário Maciel transferiu a residência oficial para o Parque Municipal, até o final de sua gestão.
  • O parque possuía, incialmente, uma área de 600 mil metros quadrados.
  • Com o aumento das construções e o crescimento da cidade a área perdeu espaço e conta hoje com apenas 30% de sua formação original.