Consulte a Melhor Programação para o seu filho

Consulte a melhor programação para o seu filho

Ver todas as atrações


O velhinho sempre vem? Papai Noel não é unanimidade nas famílias e escolas

01 de Dezembro de 2017 | Comportamento
Apesar de ser considerado um dos principais símbolos do Natal no mundo, Papai Noel não é unanimidade entre famílias e escolas

Por Sabrina Abreu e Catarina Ferreira

PapaiNoel_AlineUsagi.jpg (82 KB)
Ilustração: Aline Usagi

 

Uma das mais conhecidas canções natalinas conta a história de alguém que deixou o sapatinho na janela e recebeu, em troca, um presente do Papai Noel. Os versos da música dizem: “Seja rico ou seja pobre, o velhinho sempre vem”. Mas nem todas as famílias aceitam que Papai Noel seja atração principal nas celebrações do Natal.

Curitibana residente em São Paulo, a cozinheira Priscila Fiori sempre estimulou Manuella, sua primogênita, hoje com 11 anos, a acreditar em Papai Noel. “Falava que íamos deixar a chupeta para ele, incentivava-a a escrever cartinha todos os anos, passeávamos no shopping para tirar foto, porque ela amava”, lembra. O resultado foi que, até o ano passado, Manuella continuou acreditando na existência do “bom velhinho” e curtindo essa fantasia.

Porém, com a filha mais nova, Alice, de 4 anos, Priscila começou a notar outra reação a essa crença. A associação entre o Natal e o consumismo fez soar um alarme. “A pequena começou a falar coisas do tipo ‘se você não me der, o Papai Noel vai dar’, e isso me deixou incomodada”, conta. A saída encontrada pela mãe foi revelar parte do segredo. “Permito que ela pense que o Papai Noel vai trazer uma lembrancinha, mas deixo claro que os presentes mais caros são dados pelo papai Rodrigo”, conta, referindo-se ao marido, o bancário Rodrigo Victor Silva. Priscila crê que a diferença de personalidade entre as duas meninas contribuiu para a forma como cada uma lidou com a figura do Papai Noel, mas a mãe também credita o problema ao grande apelo do consumo na infância.

Estimular a gratidão a quem de fato é responsável por presentear a criança é uma das razões pelas quais as instituições de ensino ligadas à logosofia preferem se manter neutras quando o assunto é Papai Noel. “Temos na escola famílias de diferentes orientações religiosas e também famílias não religiosas. Respeitamos a forma como cada uma escolhe tratar esse assunto em casa, mas, na escola, nossa opção é pela neutralidade”, explica a diretora do Colégio Logosófico de Belo Horizonte, Liara Moreira Salles.

Pais de Helena, de 4 anos, a secretária Cíntia e o professor de inglês José Caetano são evangélicos e fazem questão de mostrar para a filha que Jesus é a razão do Natal. “Para não causar confusão, acabamos deixando Papai Noel de lado”, explica Cíntia. Porém, se Helena fala algo sobre o “bom velhinho”, a mãe não reprime a imaginação. “Deixo bem à vontade, porque as crianças se desenvolvem a partir da fantasia. Até já a levei para tirar foto com Papai Noel no shopping, porque ela pediu”, conta.

MamaeNoelDuendes_freepik.jpg (45 KB)

Personagens

“As crianças pequenas vivem entre o mundo da fantasia e a realidade, um mundo cheio de super-heróis, princesas e vilões. Elas se identificam com alguns desses personagens e formulam histórias com eles, para amenizar seus medos e angústias”, esclarece a psicóloga Cristina Castro Aguiar, de Belo Horizonte. A especialista lembra que, a certa altura, os pequenos amadurecem e, naturalmente, param de crer, sem maiores transtornos. Ela não vê essa fantasia como algo nocivo: “Na atualidade, com tanta falta de respeito e tantos valores distorcidos, que mal há em utilizar a imagem do “bom velhinho” para incentivar a criança a ter respeito ao próximo, educação ligada à moral e bons costumes?”, questiona.

A psicóloga carioca Luciana Genial alerta para o perigo de chantagens feitas em relação ao amor do Papai Noel. “Isso é uma maldade com a criança e com uma figura tão fofa”, define. Ela também reforça que, naturalmente, as crianças que deixam de acreditar passam para o outro lado, o daqueles que sabem o segredo. “Em casa, estou experimentando isso: meu filho não acredita mais e vai ajudar a construir a fantasia da irmã, tudo com leveza”, diz, sobre João, de 10, e Helena, de 4 anos.

No Colégio Visconde de Porto Seguro, em São Paulo, Papai Noel é mero figurante. Graças à tradição alemã, base do currículo bilíngue da instituição, o destaque é o Menino Jesus, que é o responsável por colocar os presentes no sapatinho. Sim, num sapatinho, igual ao dos versos daquela canção de Natal, na qual quem presenteia é o Papai Noel. Esse exemplo só serve para mostrar como, ao longo dos séculos e até hoje, as tradições se misturam e, em família ou na sala de aula, com ou sem “bom velhinho”, os ritos e, especialmente, os desejos natalinos têm muito em comum.

PapaiNoelDuendes_freepik.jpg (42 KB)

A carta de Virginia

Em 1897, chegou ao jornal The Sun, de Nova York, uma carta escrita por uma garotinha de 8 anos chamada Virginia O'Hanlon, com a seguinte pergunta: “Existe Papai Noel?". A resposta foi escrita pelo editor Francis Pharcellus Church e publicada pelo jornal como um editorial, no dia 21 de setembro daquele ano. Desde então, tornou-se um dos textos mais importantes da história do jornalismo mundial, com inúmeras traduções, tendo aparecido em vários livros, filmes e outras publicações ao redor do planeta. Leia essa famosa resposta na íntegra, CLICANDO AQUI.

 

InfoPapaiNoelCorreios.jpg (221 KB)

 

Facebook-01.png (83 KB) Instagram-01.png (104 KB)